Pesquisar neste blogue

sábado, 16 de junho de 2018

Reconversão do pomar


Há 10 anos que ando a fazer a reconversão de algumas árvores, que estão em declínio, a maioria delas devido a ma utilização do vibrador, quando da recolha, quer fazendo uma poda de rejuvenescimento, que nem sempre se revela eficaz, quer enxertando os rebentos bravos das mesmas, inutilizando - as logo que os enxertos entram em produção satisfatória ( 3 / 4 anos ); por preciosismo e também para estudo (pois este trabalho  e feito pessoalmente por mim);  as vezes, enxerto 2 ramos e deixo-os ficar.





poda de rejuvenescimento, que nem sempre se revela eficaz, quer enxertando nos rebentos bravos das mesmas



terça-feira, 22 de maio de 2018

Transmontano a produzir nozes no Alentejo

Notícia publicada no Jornal de Noticias de Trás-os-Montes e Alto Douro, edição número 98, dezembro 2006

 

domingo, 20 de maio de 2018

A importância do porta enxertos


Esta árvore de um lote de 400 adquiridas a 30 anos tem um perímetro de tronco  1,70 mt, de altura 7,10 mt e de raio da copa 7 mt. Foram adquirias no mesmo viveiro, plantadas no mesmo dia, na mesma terra (bastante homogénea), no mesmo sector de rega e sujeita rigorosamente aos mesmos tratamentos das restantes; a média do diâmetro do tronco das outras  ronda os 65 cm e nenhuma  chegou aos 70 cm. A produção, muito regular, anda nos 35 kgs, já secas (para venda), as outras produzem em média 12/13 Kgs.
De que porta enxerto se trata ? Ando a estudá-lo há muitos anos anos, mas não sei; no entanto e de uma irmã dela de outro lote, cortei o manso há 10 anos, já começou a dar nozes e já estou a semeá-las.
As restantes e mais adquiridas nos anos seguintes, mesmo este ano são: régias, nigras, hindsii, paradox, major,...São todas iguais, mas nada que se comparem. As que mais gosto, aqui para as terras argilosas são as régias, originarias das nossas nogueiras tradicionais ( nozes pequenas e muito rijas).